|

DESAFIOS ATÉ 2030

COMPARTILHE:

HOME / AGENDA 2030 / DESAFIOS ATÉ 2030

AGENDA 2030

DESAFIOS ATÉ 2030

DE DECLARAÇÕES BEM INTEnCIONADAS À IMPLEMENTAÇÃO nO MUNDO REAL

Reproduzir vídeo

CONHEÇA A AGENDA 2030 


Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável

Um dos mais importantes estudos já publicados para orientar gestores públicos na correção de rota necessária para alcançar um mundo mais sustentável e inclusivo pode ser consultado na  Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES)

A Avaliação Global da Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos foi realizada por cerca de 150 especialistas selecionados de todas as regiões do mundo. Mais de 15.000 publicações científicas foram analisadas, bem como um corpo substantivo de conhecimento indígena e local. Seus capítulos foram aceitos, e seu resumo para formuladores de políticas foi aprovado, pelos mais de 130 Governos que constituem os Membros do IPBES, na sétima sessão do Plenário do IPBES (29 de abril a 4 de maio de 2019), organizado pela França, na UNESCO, em Paris. 

O relatório representa uma avaliação crítica, a primeira em quase 15 anos (desde o lançamento da Avaliação Ecossistêmica do Milênio em 2005) sobre o status e as tendências do mundo natural, as implicações sociais dessas tendências, suas causas diretas e indiretas e, principalmente, as ações que ainda podem ser tomadas para garantir um futuro melhor para todos. 

O uso sustentável da natureza será vital para adaptar e mitigar interferências antropogênicas perigosas no sistema climático, bem como para alcançar muitas das nossas metas de desenvolvimento mais importantes. 

Agora, o desafio é demonstrar a entrega real nesta que é reconhecida como sendo uma década absolutamente crítica. A lacuna gritante entre a retórica e a entrega não só alimenta o ceticismo do público, mas também leva os riscos existentes a crescer em tamanho e severidade.  Os riscos econômicos, sociais, políticos e ambientais ligados ao fracasso da entrega são potencialmente catastróficos. Isto é particularmente verdadeiro para os efeitos da crise climática. O resultado da inação dará origem a múltiplos riscos, incluindo os de natureza econômica (perdas relacionadas ao clima, ativos encalhados, produtividade reduzida), social (aumento da desigualdade, deterioração dos indicadores de desenvolvimento, migração em massa), ambiental (instabilidade climática perigosa, vulnerabilidades dos ecossistemas) e política (agitação social, protecionismo, enfraquecimento da democracia). As promessas são bem-recebidas, mas agora é o momento de passar de declarações bem intencionadas para a implementação no mundo real.

Estabelecido pelos governos em 2012, o IPBES fornece aos formuladores de políticas avaliações científicas objetivas sobre o estado do conhecimento sobre a biodiversidade do planeta, os ecossistemas e as contribuições que eles fazem para as pessoas, bem como opções e ações para proteger e usar de forma sustentável esses ativos naturais vitais.

Nos últimos 10-15 anos, desde a Avaliação Ecossistêmica do Milênio, houve um aumento significativo em nossa compreensão da biodiversidade e dos ecossistemas, bem como sua importância para a qualidade de vida. Há também uma maior compreensão agora sobre quais políticas, práticas, tecnologias e comportamentos podem melhor levar à conservação e uso sustentável da biodiversidade e ao alcance de muitos dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, as Metas de Biodiversidade e o Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas. Os resultados desta Avaliação se concentram em  escala global, abrangendo o período de 1970 a 2050. Eles são baseados em uma coleção de evidências sem precedentes, integrando perspectivas de ciências naturais e sociais, uma gama de sistemas de conhecimento e múltiplas dimensões de valor. 

A natureza e suas contribuições vitais para as pessoas, que juntas incorporam a biodiversidade e as funções e serviços dos ecossistemas, estão se deteriorando em todo o mundo.  A natureza sustenta a qualidade de vida ao fornecer suporte vital básico para a humanidade, bem como bens materiais e inspiração espiritual (imaterial).A maioria das contribuições da natureza para as pessoas são co-produzidas por processos biofísicos e interações ecológicas com ativos antropogênicos, como conhecimento, infraestrutura, capital financeiro, tecnologia e as instituições que os medeiam. Por exemplo, alimentos marinhos e de água doce são coproduzidos pela combinação de populações de peixes, equipamentos de pesca e acesso a pesqueiros.

O desmatamento da floresta para a agricultura aumentou o fornecimento de alimentos, rações e outros materiais importantes para as pessoas (como fibras naturais e flores ornamentais: mas reduziu contribuições tão diversas quanto a polinização, regulação do clima, regulação da qualidade da água, oportunidades de aprendizado e inspiração e manutenção de opções para o futuro. Existem muito poucos estudos sistemáticos em larga escala sobre essas relações. A degradação da terra reduziu a produtividade em 23% da área terrestre global, e entre US$ 235 bilhões e US$ 577 bilhões em produção agrícola global anual está em risco como resultado da perda de polinizadores

A deterioração da natureza e consequente interrupção dos benefícios para as pessoas tem implicações diretas e indiretas para a saúde pública e pode exacerbar as desigualdades existentes no acesso aos cuidados de saúde ou dietas saudáveis ​. Mudar as dietas para uma diversidade de alimentos, incluindo peixe, frutas, nozes e vegetais, reduz significativamente o risco de certas doenças não transmissíveis evitáveis, que são atualmente responsáveis ​​por 20 por cento da mortalidade prematura globalmente. 

A perda de diversidade, como a diversidade filogenética e funcional, pode reduzir permanentemente as opções futuras, como espécies silvestres que podem ser domesticadas como novas culturas e usadas para melhoramento genético. As pessoas criaram substitutos para algumas outras contribuições da natureza, mas muitos deles são imperfeitos ou financeiramente proibitivos 

Por exemplo, água potável de alta qualidade pode ser obtida por meio de ecossistemas que filtram poluentes ou por meio de instalações de tratamento de água projetadas pelo ser humano. Da mesma forma, as inundações costeiras causadas por tempestades podem ser reduzidas por manguezais costeiros ou por diques e paredões Em ambos os casos, no entanto, a infraestrutura construída pode ser extremamente cara, incorrer em altos custos futuros e não fornecer benefícios sinérgicos, como habitats de berçário para peixes comestíveis ou oportunidades recreativas. De forma geral, as substituições feitas pelo ser humano  muitas vezes não fornecem toda a gama de benefícios oferecidos pela natureza.

Áreas do mundo projetadas para experimentar efeitos negativos significativos de mudanças globais no clima, biodiversidade, funções do ecossistema e contribuições da natureza para as pessoas também abrigam grandes concentrações de povos indígenas e muitas das comunidades mais pobres do mundo. Devido à sua forte dependência da natureza e suas contribuições para a subsistência, meios de subsistência e saúde, essas comunidades serão desproporcionalmente atingidas por essas mudanças negativas. Esses efeitos negativos também influenciam a capacidade dos povos indígenas e comunidades locais de gerenciar e conservar a biodiversidade selvagem e domesticada e as contribuições da natureza para as pessoas. Povos indígenas e comunidades locais têm enfrentado esses desafios de forma proativa em parceria entre si e com uma série de outras partes interessadas, por meio de sistemas de cogestão e redes de monitoramento local e regional, revitalizando e adaptando sistemas de gestão locais. 

A perda de diversidade, como a diversidade filogenética e funcional, pode reduzir permanentemente as opções futuras, como espécies silvestres que podem ser domesticadas como novas culturas e usadas para melhoramento genético. As pessoas criaram substitutos para algumas outras contribuições da natureza, mas muitos deles são imperfeitos ou financeiramente proibitivos 

Sumário

As contribuições da natureza para as pessoas

O conceito de contribuição da natureza para as pessoas foi desenvolvido para abranger uma consideração mais completa e simétrica de diversos atores e visões de mundo, e uma base de evidências mais rica para ação, ou seja, a base de conhecimento oferecida pelas ciências naturais e sociais, as humanidades e a conhecimento dos praticantes e dos povos indígenas e comunidades locais.

A natureza é essencial para a existência humana e boa qualidade de vida.  por meio de seus processos ecológicos e evolutivos,  a natureza sustenta a qualidade do ar, da água doce e dos solos dos quais a humanidade depende, distribui água doce, regula o clima, proporciona polinização e controle de pragas e reduz o impacto dos desastres naturais. Mais de 75% dos tipos de culturas alimentares globais, incluindo frutas e vegetais e algumas das culturas comerciais mais importantes, como café, cacau e amêndoas, dependem da polinização animal. Os ecossistemas marinhos e terrestres são os únicos sumidouros das emissões antropogênicas de carbono, com um sequestro bruto de 5,6 gigatoneladas de carbono por ano (o equivalente a cerca de 60% das emissões antropogênicas globais). 

A natureza desempenha um papel crítico no fornecimento de alimentos e rações, energia, medicamentos e recursos genéticos e uma variedade de materiais fundamentais para o bem-estar físico das pessoas e para a manutenção da cultura. Sustenta todas as dimensões da saúde humana e contribui para aspectos não materiais da qualidade de vida – inspiração e aprendizado, experiências físicas e psicológicas e identidades de apoio – que são centrais para a qualidade de vida e a integridade cultural, mesmo que seu valor agregado seja difícil de  quantificar. A maioria das contribuições da natureza é coproduzida com pessoas, mas enquanto os ativos antropogênicos – conhecimento e instituições, infraestrutura tecnológica e capital financeiro – podem aumentar ou substituir parcialmente algumas dessas contribuições, alguns são insubstituíveis.

A diversidade da natureza mantém a capacidade da humanidade de escolher alternativas diante de um futuro incerto.  As contribuições da natureza para as pessoas são frequentemente distribuídas de forma desigual no espaço e no tempo e entre os diferentes segmentos da sociedade.

Em 5 anos de atuação, o BrazillLAB já acelerou cerca de 110 Startups e conectou diversas soluções com uma ampla rede de municípios e gestores públicos. O programa conta com mentoria especializada, acesso a networking e a líderes públicos, conhecimento sobre os desafios municipais e apoio na otimização de um modelo de negócio para trabalhar com o setor público.

Por exemplo, embora a produção de alimentos hoje seja suficiente para satisfazer as necessidades globais, aproximadamente 11% da população mundial está desnutrida, e doenças relacionadas à dieta são responsáveis ​​por 20% da mortalidade prematura, relacionada tanto à desnutrição quanto à obesidade. A grande expansão na produção de alimentos, rações, fibras e bioenergia ocorreu à custa de muitas outras contribuições da natureza para a qualidade de vida, incluindo regulação da qualidade do ar e da água, regulação do clima e provisão de habitat. Também existem sinergias, como práticas agrícolas sustentáveis ​​que melhoram a qualidade do solo, melhorando assim a produtividade e outras funções e serviços do ecossistema, como sequestro de carbono e regulação da qualidade da água.

SÍNTESE PARA FORMADORES DE POLÍTICAS

Para que a humanidade tenha uma chance de pelo menos 50% de estabilizar o aquecimento global em 1,5oC acima dos níveis pré-industriais, como determina o Acordo de Paris, as emissões globais de gases de efeito estufa precisam atingir seu pico entre 2020 e 2025 e cair 43% até 2030. Só que desde 2010 elas cresceram 12%.

Mesmo com o aquecimento global de 1,5°C a 2°C, a maioria das faixas de espécies terrestres é projetada para encolher drasticamente. Mudanças nas faixas podem afetar adversamente a capacidade das áreas terrestres protegidas de conservar espécies, aumentar muito a rotatividade de espécies locais e aumentar substancialmente o risco de extinções globais.

Por exemplo, uma síntese de muitos estudos estima que a fração de espécies em risco de extinção relacionada ao clima é de 5% com 2°C de aquecimento e aumenta para 16% com 4,3°C de aquecimento. Os recifes de corais são particularmente vulneráveis ​​às mudanças climáticas e estima-se que diminuam para 10 a 30 por cento da cobertura anterior com um aquecimento de 1,5°C e para menos de 1 por cento da cobertura anterior com um aquecimento de 2°C. Portanto, os cenários mostram que limitar o aquecimento global bem abaixo de 2°C desempenha um papel crítico na redução dos impactos adversos na natureza e suas contribuições para as pessoas.

Desde 1970, as tendências na produção agrícola, pesca, produção de bioenergia e colheita de materiais aumentaram, mas 14 das 18 categorias de contribuições da natureza avaliadas, principalmente contribuições regulatórias e não materiais, diminuíram. O valor da produção agrícola (US$ 2,6 trilhões em 2016) aumentou aproximadamente três vezes desde 1970 e a extração de madeira bruta aumentou 45%, atingindo cerca de 4 bilhões de metros cúbicos em 2017, com a indústria florestal fornecendo cerca de 13,2 milhões de empregos. No entanto, indicadores de contribuições reguladoras, como carbono orgânico do solo e diversidade de polinizadores, diminuíram, indicando que os ganhos em contribuições materiais muitas vezes não são sustentáveis.  Atualmente, a degradação da terra reduziu a produtividade em 23% da área terrestre global, e entre US$ 235 bilhões e US$ 577 bilhões na produção anual global de culturas está em risco como resultado da perda de polinizadores. Além disso, a perda de habitats costeiros e recifes de coral reduz a proteção costeira, o que aumenta o risco de inundações e furacões e a ameaça à vida e a propriedade de 100 milhões a 300 milhões de pessoas que vivem em zonas costeiras.

A natureza na maior parte do globo já foi significativamente alterada por múltiplos fatores humanos, com a grande maioria dos indicadores de ecossistemas e biodiversidade mostrando um rápido declínio. Setenta e cinco por cento da superfície terrestre está significativamente alterada, 66 por cento da área oceânica está sofrendo impactos cumulativos crescentes, e mais de 85% das áreas úmidas foram perdidas. Embora a taxa de perda de florestas tenha diminuído globalmente desde 2000, isso é distribuído de forma desigual. Em grande parte dos trópicos altamente biodiversos, 32 milhões de hectares de floresta primária ou em recuperação foram perdidos entre 2010 e 2015.

A extensão das florestas tropicais e subtropicais está aumentando em alguns países, e a extensão global das florestas temperadas e boreais está aumentando. Uma série de ações – da restauração da floresta natural ao plantio de monoculturas – contribui para esses aumentos, mas essas ações têm consequências muito diferentes para a biodiversidade e suas contribuições para as pessoas. 

Aproximadamente metade da cobertura de corais vivos nos recifes de coral foi perdida desde a década de 1870, com perdas aceleradas nas últimas décadas devido às mudanças climáticas exacerbando outros fatores. 

A abundância média de espécies nativas na maioria dos principais biomas terrestres caiu em pelo menos 20%, afetando potencialmente os processos do ecossistema e, portanto, as contribuições da natureza para as pessoas; esse declínio ocorreu principalmente desde 1900 e pode estar se acelerando. Em áreas de alto endemismo, a biodiversidade nativa tem sido severamente impactada por espécies exóticas invasoras. O tamanho da população de espécies de vertebrados selvagens diminuiu nos últimos 50 anos em terra, em água doce e no mar. As tendências globais nas populações de insetos não são conhecidas, mas declínios rápidos foram bem documentados em alguns lugares.

  • As ações humanas ameaçam mais espécies com extinção global agora do que nunca. Uma média de cerca de 25 por cento das espécies nos grupos animais e vegetais avaliados estão ameaçados, sugerindo que cerca de 1 milhão de espécies já enfrentam extinção, muitas dentro de décadas, a menos que sejam tomadas medidas para reduzir a intensidade dos fatores de perda de biodiversidade. Sem tal ação, haverá uma aceleração ainda maior na taxa global de extinção de espécies, que já é pelo menos dezenas a centenas de vezes maior do que a média dos últimos 10 milhões de anos
  • Globalmente, variedades e raças locais de plantas e animais domesticados estão desaparecendo. Essa perda de diversidade, incluindo a diversidade genética, representa um sério risco para a segurança alimentar global, minando a resiliência de muitos sistemas agrícolas a ameaças como pragas, patógenos e mudanças climáticas. Cada vez menos variedades e raças de plantas e animais estão sendo cultivadas, criadas, comercializadas e mantidas em todo o mundo, apesar de muitos esforços locais, que incluem os de povos indígenas e comunidades locais. Em 2016, 559 das 6.190 raças domesticadas de mamíferos usados ​​para alimentação e agricultura (mais de 9%) foram extintas e pelo menos 1.000 outras estão ameaçadas.

TAXA DE MUDANÇA GLOBAL NA NATUREZA

A taxa de mudança global na natureza durante os últimos 50 anos é sem precedentes na história humana. Os impulsionadores diretos da mudança na natureza com maior impacto global foram (começando pelos de maior impacto): mudanças no uso da terra e do mar; exploração direta de organismos; das Alterações Climáticas; poluição; e invasão de espécies exóticas. Esses cinco impulsionadores diretos resultam de uma série de causas subjacentes – os impulsionadores indiretos da mudança – que, por sua vez, são sustentados por valores e comportamentos sociais que incluem padrões de produção e consumo, dinâmicas e tendências da população humana, comércio, inovações tecnológicas e governança local por meio global. 

Mesmo com o aquecimento global de 1,5°C a 2°C, a maioria das faixas de espécies terrestres é projetada para encolher drasticamente. Mudanças nas faixas podem afetar adversamente a capacidade das áreas terrestres protegidas de conservar espécies, aumentar muito a rotatividade de espécies locais e aumentar substancialmente o risco de extinções globais.

Mudanças no uso da terra e do mar

Para os ecossistemas terrestres e de água doce, a mudança no uso da terra teve o maior impacto negativo relativo na natureza desde 1970, seguido pela exploração direta, em particular sobreexploração, de animais, plantas e outros organismos, principalmente por meio de colheita, extração de madeira, caça e pesca . 

Nos ecossistemas marinhos, a exploração direta de organismos (principalmente a pesca) teve o maior impacto relativo, seguido pela mudança do uso da terra/mar. A expansão agrícola é a forma mais difundida de mudança no uso da terra, com mais de um terço da superfície terrestre sendo usada para cultivo ou pecuária. 

Essa expansão, juntamente com a duplicação da área urbana desde 1992 e uma expansão sem precedentes da infraestrutura ligada ao crescimento da população e do consumo, ocorreu principalmente às custas das florestas (principalmente florestas tropicais antigas), pântanos e pastagens. Nos ecossistemas de água doce, uma série de ameaças combinadas que incluem mudanças no uso da terra, incluindo extração de água, exploração, poluição, mudanças climáticas e espécies invasoras, são predominantes.

Mesmo com o aquecimento global de 1,5°C a 2°C, a maioria das faixas de espécies terrestres é projetada para encolher drasticamente. Mudanças nas faixas podem afetar adversamente a capacidade das áreas terrestres protegidas de conservar espécies, aumentar muito a rotatividade de espécies locais e aumentar substancialmente o risco de extinções globais.

Exploração direta de organismos

As atividades humanas tiveram um impacto grande e generalizado nos oceanos do mundo.
Estes incluem a exploração direta, em particular a sobreexploração, de peixes, moluscos e outros organismos, poluição terrestre e marítima, inclusive de redes fluviais, e mudanças no uso da terra/mar, incluindo desenvolvimento costeiro para infraestrutura e aquicultura.

Alterações Climáticas

A mudança climática é um fator direto que está exacerbando cada vez mais o impacto de outros fatores na natureza e no bem-estar humano. Estima-se que os seres humanos tenham causado um aquecimento observado de aproximadamente 1,0°C até 2017 em relação aos níveis pré-industriais, com temperaturas médias nos últimos 30 anos aumentando 0,2°C por década. A frequência e intensidade de eventos climáticos extremos, e os incêndios, inundações e secas que eles podem trazer, aumentaram nos últimos 50 anos, enquanto o nível médio global do mar aumentou entre 16 e 21 cm desde 1900, e a uma taxa de mais de 3 mm por ano nas últimas duas décadas. Essas mudanças contribuíram para impactos generalizados em muitos aspectos da biodiversidade, incluindo distribuição de espécies, fenologia, dinâmica populacional, estrutura da comunidade e função do ecossistema. 

De acordo com evidências observacionais, os efeitos estão se acelerando nos ecossistemas marinhos, terrestres e de água doce e já estão impactando a agricultura, a aquicultura, a pesca e as contribuições da natureza para as pessoas. Os efeitos combinados de fatores como mudanças climáticas, mudanças no uso da terra/mar, superexploração de recursos, poluição e espécies exóticas invasoras provavelmente exacerbarão os impactos negativos na natureza, como visto em diferentes ecossistemas, incluindo recifes de corais, sistemas do Ártico e savanas. 

Poluição e invasão de espécies exóticas.

 Muitos tipos de poluição, bem como espécies exóticas invasoras, estão aumentando, com impactos negativos para a natureza. Embora as tendências globais sejam mistas, a poluição do ar, da água e do solo continuou a aumentar em algumas áreas. A poluição plástica marinha, em particular, aumentou dez vezes desde 1980, afetando pelo menos 267 espécies, incluindo 86% das tartarugas marinhas, 44% das aves marinhas e 43% dos mamíferos marinhos. Isso pode afetar os seres humanos através das cadeias alimentares.

Emissões de gases de efeito estufa, resíduos urbanos e rurais não tratados, poluentes de atividades industriais, de mineração e agrícolas, derramamentos de óleo e despejo de tóxicos tiveram fortes efeitos negativos na qualidade do solo, da água doce e da água marinha e na atmosfera global. Os registros cumulativos de espécies exóticas aumentaram 40% desde 1980, associados ao aumento do comércio e da dinâmica e tendências da população humana. Quase um quinto da superfície da Terra está em risco de invasões de plantas e animais, impactando espécies nativas, funções do ecossistema e contribuições da natureza para as pessoas, bem como economias e saúde humana. A taxa de introdução de novas espécies exóticas invasoras parece mais alta do que nunca e não mostra sinais de desaceleração.

Nos últimos 50 anos, a população humana dobrou, a economia global quase quadruplicou e o comércio global aumentou dez vezes, aumentando juntos a demanda por energia e materiais. Uma variedade de fatores econômicos, políticos e sociais, incluindo o comércio global e a dissociação espacial da produção do consumo, deslocaram os ganhos e perdas econômicos e ambientais da produção e do consumo, contribuindo para novas oportunidades econômicas, mas também para impactos sobre a natureza e suas contribuições para as pessoas. 

Existem grandes diferenças regionais nos padrões projetados da biodiversidade futura e nas funções dos ecossistemas e nas perdas e mudanças nas contribuições da natureza para as pessoas. Enquanto as regiões em todo o mundo enfrentam novos declínios na biodiversidade em projeções futuras, as regiões tropicais enfrentam riscos combinados específicos de declínios devido às interações entre mudanças climáticas, mudanças no uso da terra e exploração pesqueira. A biodiversidade marinha e terrestre nas regiões boreais, subpolares e polares deverá diminuir principalmente devido ao aquecimento, recuo do gelo marinho e maior acidificação dos oceanos. 

A exclusão, a escassez e/ou a distribuição desigual das contribuições da natureza para as pessoas podem alimentar a instabilidade social e o conflito em uma interação complexa com outros fatores. Os conflitos armados têm um impacto nos ecossistemas que vai além de seus efeitos desestabilizadores nas sociedades, e uma série de impactos indiretos, incluindo o deslocamento de pessoas e atividades.

Gestão Sustentável

Os incentivos econômicos geralmente favorecem a expansão da atividade econômica e, muitas vezes, os danos ambientais, em detrimento da conservação ou restauração. Incorporar a consideração dos múltiplos valores das funções do ecossistema e das contribuições da natureza para as pessoas em incentivos econômicos tem demonstrado, na economia, permitir melhores resultados ecológicos, econômicos e sociais. As iniciativas de governança local, nacional, regional e global melhoraram os resultados dessa maneira, apoiando políticas, inovação e eliminação de subsídios prejudiciais ao meio ambiente, introduzindo incentivos alinhados com o valor da contribuição da natureza para as pessoas, aumentando a gestão sustentável do uso da terra/mar e fazer cumprir os regulamentos, entre outras medidas. 

Incentivos econômicos prejudiciais e políticas associadas a práticas insustentáveis ​​na pesca, aquicultura, agricultura (incluindo uso de fertilizantes e pesticidas), manejo de gado, silvicultura, mineração e energia (incluindo combustíveis fósseis e biocombustíveis) são frequentemente associados a mudanças no uso da terra/mar e sobreexploração dos recursos naturais, bem como produção ineficiente e gestão de resíduos. Interesses adquiridos podem se opor à remoção de subsídios ou à introdução de outras políticas. No entanto, as reformas políticas para lidar com essas causas de danos ambientais oferecem o potencial de conservar a natureza e fornecer benefícios econômicos, inclusive quando as políticas são baseadas em mais e melhor compreensão dos múltiplos valores das contribuições da natureza.

A exclusão, a escassez e/ou a distribuição desigual das contribuições da natureza para as pessoas podem alimentar a instabilidade social e o conflito em uma interação complexa com outros fatores. Os conflitos armados têm um impacto nos ecossistemas que vai além de seus efeitos desestabilizadores nas sociedades, e uma série de impactos indiretos, incluindo o deslocamento de pessoas e atividades.

Povos Indígenas

A natureza gerida por povos indígenas e comunidades locais está sob crescente pressão. A natureza geralmente está diminuindo menos rapidamente nas terras dos povos indígenas do que em outras terras, mas está diminuindo, assim como o conhecimento de como administrá-la. Pelo menos um quarto da área terrestre global é tradicionalmente possuída, administrada, usada ou ocupada por povos indígenas.

Essas áreas incluem aproximadamente 35 por cento da área que é formalmente protegida e aproximadamente 35 por cento de todas as áreas terrestres remanescentes com muito baixa intervenção humana. 

Além disso, uma gama diversificada de comunidades locais, incluindo agricultores, pescadores, pastores, caçadores, pecuaristas e usuários da floresta, . Essas fontes de dados definem o manejo da terra aqui como o processo de determinar o uso, desenvolvimento e cuidado dos recursos da terra de uma maneira que atende a necessidades culturais materiais e não materiais, incluindo atividades de subsistência como caça, pesca, coleta, colheita de recursos, pastoreio e agricultura e horticultura de pequena escala. gerenciar áreas significativas sob vários regimes de propriedade e acesso. 

Entre os indicadores locais desenvolvidos e usados ​​por povos indígenas e comunidades locais, 72% mostram tendências negativas na natureza que sustentam os meios de subsistência e o bem-estar locais. As áreas administradas (sob vários tipos de posse e regimes de acesso) por povos indígenas e comunidades locais estão enfrentando crescente extração de recursos, produção de commodities, mineração e transporte e infraestrutura energética, com várias consequências para os meios de subsistência e saúde locais. Alguns programas de mitigação das mudanças climáticas tiveram impactos negativos sobre os povos indígenas e comunidades locais.

Os impactos negativos de todas essas pressões incluem a perda contínua de subsistência e meios de subsistência tradicionais resultantes do desmatamento contínuo, perda de pântanos, mineração, disseminação de práticas insustentáveis ​​de agricultura, silvicultura e pesca e impactos na saúde e bem-estar da poluição e insegurança hídrica. Esses impactos também desafiam a gestão tradicional, a transmissão do conhecimento indígena e local, o potencial de compartilhamento de benefícios decorrentes do uso e a capacidade dos povos indígenas e comunidades locais de conservar e manejar de forma sustentável a biodiversidade selvagem e domesticada que também são relevantes à sociedade mais ampla.

sOLUÇÕES

O meio ambiente global pode ser protegido por meio de cooperação internacional aprimorada e medidas localmente relevantes vinculadas. A revisão e renovação de metas e objetivos relacionados ao meio ambiente acordados internacionalmente, com base no melhor conhecimento científico disponível e na ampla adoção e financiamento de ações de conservação, restauração ecológica e uso sustentável por todos os atores, incluindo indivíduos, são fundamentais para essa salvaguarda. Essa ampla adoção implica avançar e alinhar os esforços locais, nacionais e internacionais de sustentabilidade e integrar a biodiversidade e a sustentabilidade em todos os setores extrativos e produtivos, incluindo mineração, pesca, silvicultura e agricultura, de modo que, juntos, ações individuais e coletivas resultem na reversão da deterioração dos serviços ecossistêmicos em nível global. No entanto, essas mudanças ousadas nos fatores diretos da deterioração da natureza não podem ser alcançadas sem uma mudança transformadora que aborde simultaneamente os fatores indiretos.

Mesmo com o aquecimento global de 1,5°C a 2°C, a maioria das faixas de espécies terrestres é projetada para encolher drasticamente. Mudanças nas faixas podem afetar adversamente a capacidade das áreas terrestres protegidas de conservar espécies, aumentar muito a rotatividade de espécies locais e aumentar substancialmente o risco de extinções globais.

Cinco intervenções principais (“alavancas”) podem gerar mudanças transformadoras ao lidar com os fatores indiretos subjacentes ao deterioro da natureza: 
(1) incentivos e capacitação; 
(2) cooperação intersetorial; 
(3) ação preventiva; 
(4) tomada de decisão no contexto de resiliência e incerteza; e 
(5) legislação ambiental e implementação. 

A utilização dessas alavancas envolverá: 
(1) desenvolvimento de incentivos e ampla capacidade de responsabilidade ambiental e eliminação de incentivos perversos; 
(2) reformar a tomada de decisão setorial e segmentada para promover a integração entre setores e jurisdições; 
(3) tomar ações preventivas em instituições reguladoras e gestoras e negócios para evitar, mitigar e remediar a deterioração da natureza, e monitorar seus resultados; 
(4) gestão de sistemas sociais e ecológicos resilientes em face da incerteza e complexidade, para entregar decisões que sejam robustas em uma ampla gama de cenários; e
 (5) fortalecer as leis e políticas ambientais e sua implementação, e o estado de direito em geral. Todas as cinco alavancas podem exigir novos recursos, especialmente em contextos de baixa capacidade.

As transformações em direção à sustentabilidade são mais prováveis ​​quando os esforços são direcionados aos seguintes pontos-chave de alavancagem, onde os esforços produzem efeitos excepcionalmente grandes: (1) visões de uma vida boa; (2) consumo total e desperdício; (3) valores e ação; (4) desigualdades; (5) justiça e inclusão na conservação; (6) externalidades e tele acoplamentos; (7) tecnologia, inovação e investimento; e (8) educação e geração e compartilhamento de conhecimento. 

Especificamente, as seguintes mudanças se reforçam mutuamente: 
(1) permitir visões de uma boa qualidade de vida que não impliquem consumo material cada vez maior; 
(2) reduzir o consumo total e o desperdício, inclusive abordando o crescimento populacional e o consumo per capita de maneira diferente em diferentes contextos; 
(3) liberar valores de responsabilidade amplamente aceitos para efetivar novas normas sociais para a sustentabilidade, especialmente estendendo noções de responsabilidade para incluir os impactos associados ao consumo; 
(4) lidar com as desigualdades, especialmente em relação a renda e gênero, que prejudicam a capacidade de sustentabilidade; 
(5) assegurar a tomada de decisão inclusiva e a partilha justa e equitativa dos benefícios decorrentes do uso e adesão aos direitos humanos nas decisões de conservação; 
(6) contabilizar a deterioração da natureza decorrente de atividades econômicas locais e interações socioeconômicas e ambientais à distância (teleacoplamentos), incluindo, por exemplo, o comércio internacional; 
(7) garantia de inovação tecnológica e social ambientalmente amigável, levando em consideração os potenciais efeitos de rebote e os regimes de investimento; e 
(8) promover a educação, a geração de conhecimento e a manutenção de diferentes sistemas de conhecimento, inclusive nas ciências e no conhecimento indígena e local, sobre a natureza, conservação e seu uso sustentável.

O caráter e as trajetórias de transformação variam entre os contextos, com desafios e necessidades diferentes, entre outros, em países desenvolvidos e em desenvolvimento. Os riscos relacionados às inevitáveis ​​incertezas e complexidades nas transformações rumo à sustentabilidade podem ser reduzidos por meio de abordagens de governança integrativas, inclusivas, informadas e adaptativas. Tais abordagens normalmente levam em consideração as sinergias e compensações entre objetivos sociais e caminhos alternativos e reconhecem uma pluralidade de valores, diversas condições econômicas, desigualdade, desequilíbrios de poder e interesses investidos na sociedade. As estratégias de redução de risco geralmente incluem aprender com a experiência baseada em uma combinação de medidas de precaução e conhecimento existente e emergente. Essas abordagens envolvem as partes interessadas na coordenação de políticas entre setores e na criação de combinações estratégicas e localmente relevantes de instrumentos políticos bem-sucedidos. 

A exclusão, a escassez e/ou a distribuição desigual das contribuições da natureza para as pessoas podem alimentar a instabilidade social e o conflito em uma interação complexa com outros fatores. Os conflitos armados têm um impacto nos ecossistemas que vai além de seus efeitos desestabilizadores nas sociedades, e uma série de impactos indiretos, incluindo o deslocamento de pessoas e atividades.

O setor privado pode desempenhar um papel em parceria com outros atores, incluindo governos nacionais e subnacionais e a sociedade civil; por exemplo, as parcerias público-privadas no setor hídrico têm sido um importante veículo para o financiamento de investimentos para atender aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Algumas medidas políticas eficazes incluem a expansão e o fortalecimento de redes de áreas protegidas ecologicamente representativas e bem conectadas e de outras medidas eficazes de conservação baseadas em áreas; a proteção de bacias hidrográficas; e incentivos e sanções para reduzir a poluição.

Reconhecer os conhecimentos, inovações, práticas, instituições e valores dos povos indígenas e comunidades locais, e garantir sua inclusão e participação na governança ambiental, muitas vezes melhora sua qualidade de vida e a conservação, restauração e uso sustentável da natureza, o que é relevante para sociedade mais ampla. A governança, incluindo instituições consuetudinárias e sistemas de gestão e regimes de cogestão que envolvem povos indígenas e comunidades locais, pode ser uma forma eficaz de salvaguardar a natureza e suas contribuições para as pessoas, incorporando sistemas de gestão sintonizados localmente e conhecimento indígena e local. 

As contribuições positivas dos povos indígenas e comunidades locais para a sustentabilidade podem ser facilitadas por meio do reconhecimento nacional da posse da terra, acesso e direitos aos recursos de acordo com a legislação nacional, aplicação de consentimento livre, prévio e informado e melhor colaboração, compartilhamento justo e equitativo de benefícios decorrentes do uso e acordos de cogestão com as comunidades locais. 

Alimentar a humanidade e melhorar a conservação e o uso sustentável da natureza são objetivos complementares e intimamente interdependentes que podem ser promovidos por meio de sistemas sustentáveis ​​de agricultura, aquicultura e pecuária, salvaguarda de espécies nativas, variedades, raças e habitats e restauração ecológica. As ações específicas incluem a promoção de práticas agrícolas e agroecológicas sustentáveis, como o planejamento multifuncional da paisagem e o manejo integrado intersetorial, que apoiem a conservação da diversidade genética e da biodiversidade agrícola associada. 

Ações adicionais para alcançar simultaneamente segurança alimentar, proteção da biodiversidade e uso sustentável são mitigação e adaptação às mudanças climáticas apropriadas ao contexto; incorporando conhecimento de vários sistemas, incluindo as ciências e práticas indígenas e locais sustentáveis; evitar o desperdício de alimentos; capacitar produtores e consumidores para transformar as cadeias de abastecimento; e facilitando escolhas dietéticas sustentáveis ​​e saudáveis. Como parte do planejamento e manejo integrado da paisagem, a restauração ecológica imediata, enfatizando o uso de espécies nativas, pode compensar a degradação atual e salvar muitas espécies ameaçadas, mas é menos eficaz se adiada. 

Sustentar e conservar a pesca e espécies e ecossistemas marinhos pode ser alcançado por meio de uma mistura coordenada de intervenções em terra, água doce e oceanos, incluindo coordenação multinível entre as partes interessadas no uso de oceanos abertos. Ações específicas podem incluir, por exemplo, abordagens ecossistêmicas para gestão pesqueira, planejamento espacial, cotas efetivas, áreas marinhas protegidas, proteção e gestão de áreas-chave de biodiversidade marinha, redução da poluição nos oceanos e trabalho em estreita colaboração com produtores e consumidores.

É importante reforçar a capacitação para a adoção das melhores práticas de gestão pesqueira; adotar medidas para promover o financiamento da conservação e a responsabilidade social corporativa; desenvolver novos instrumentos jurídicos e vinculativos; implementar e fazer cumprir acordos globais para uma pesca responsável; e tomar urgentemente todas as medidas necessárias para prevenir, dissuadir e eliminar a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada. 

As atividades terrestres de mitigação das mudanças climáticas podem ser eficazes e apoiar os objetivos de conservação. No entanto, a implantação em larga escala de plantações de bioenergia e reflorestamento de ecossistemas não florestais pode trazer efeitos colaterais negativos para a biodiversidade e as funções do ecossistema. Estima-se que as soluções baseadas na natureza com salvaguardas forneçam 37% da mitigação das mudanças climáticas até 2030, necessárias para atingir a meta de manter o aquecimento climático abaixo de 2°C, com prováveis ​​co-benefícios para a biodiversidade. Portanto, ações de uso da terra são indispensáveis, além de fortes ações para reduzir as emissões de gases de efeito estufa provenientes do uso de combustíveis fósseis e outras atividades industriais e agrícolas. No entanto, a implantação em larga escala de plantações intensivas de bioenergia, incluindo monoculturas, substituindo florestas naturais e terras agrícolas de subsistência, provavelmente terá impactos negativos na biodiversidade e pode ameaçar a segurança alimentar e hídrica, bem como os meios de subsistência locais, inclusive pela intensificação do conflito social. 

As soluções baseadas na natureza podem ser econômicas para atender aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável nas cidades, que são cruciais para a sustentabilidade global. O aumento do uso de infraestrutura verde e outras abordagens baseadas em ecossistemas podem ajudar a promover o desenvolvimento urbano sustentável, ao mesmo tempo em que reforçam a mitigação e a adaptação às mudanças climáticas. As principais áreas urbanas de biodiversidade devem ser protegidas. As soluções podem incluir a modernização da infraestrutura verde e azul, como a criação e manutenção de espaços verdes e corpos d’água favoráveis ​​à biodiversidade, agricultura urbana, jardins na cobertura e cobertura vegetal expandida e acessível em áreas urbanas e periurbanas existentes e novos empreendimentos. A infraestrutura verde nas áreas urbanas e rurais circundantes pode complementar a “infraestrutura cinza” em grande escala em áreas como proteção contra inundações, regulação da temperatura, limpeza do ar e da água, tratamento de águas residuais e fornecimento de energia, alimentos de origem local e os benefícios para a saúde da interação com a natureza.

Um componente-chave dos caminhos sustentáveis ​​é a evolução dos sistemas financeiros e econômicos globais para construir uma economia global sustentável, afastando-se do atual paradigma limitado de crescimento econômico. 
 Isso implica incorporar a redução das desigualdades nos caminhos do desenvolvimento, reduzindo o consumo excessivo e o desperdício e abordando os impactos ambientais, como as externalidades das atividades econômicas, desde a escala local até a escala global. 

Essa evolução pode ser possibilitada por meio de uma combinação de políticas e ferramentas (como programas de incentivo, certificação e padrões de desempenho) e por meio de uma tributação mais consistente internacionalmente, apoiada por acordos multilaterais e monitoramento e avaliação ambiental aprimorados. Também implicaria uma mudança além dos indicadores econômicos padrão, como o produto interno bruto, para incluir aqueles capazes de capturar visões mais holísticas e de longo prazo da economia e da qualidade de vida. 

Acesse a publicação completa do IPBES

Governo quer investir R$ 180 bilhões no ecossistema de impacto do Brasil em 10 anos

Meta do plano de trabalho da Estratégia Nacional de Economia de Impacto (Enimpacto) inclui alcançar

COMPARTILHE:

Coalizão Pelo Impacto dedica R$ 34 milhões para o fortalecimento de organizações sociais em todo território nacional

Iniciativa tem como objetivo expandir o fomento a negócios de impacto para além do eixo

COMPARTILHE:

Evento com foco na criação de projetos de impacto positivo oferece prêmios de até R$ 15 mil

O CriaBrasil 2023 é um evento com diversas atrações e ações interativas que unem cultura,

COMPARTILHE:

plugins premium WordPress