|

Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

COMPARTILHE:

HOME / AGENDA 2030 / DESAFIOS PARA NEGÓCIOS DE IMPACTO

AGENDA 2030

Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS)

ods só podem alcançados com expressivas mudanças, apontam RELATÓRIOS IPCC E IPBES

Em setembro de 2015, líderes mundiais reuniram-se na sede da ONU, em Nova York, e decidiram um plano de ação para erradicar a pobreza, proteger o planeta e garantir que as pessoas alcancem a paz e a prosperidade: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, que contém o conjunto de 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

A Agenda 2030 e os ODS afirmam que para colocar o mundo em um caminho sustentável é urgentemente necessário tomar medidas ousadas e transformadoras. Os ODS constituem uma ambiciosa lista de tarefas para todas as pessoas, em todas as partes, a serem cumpridas até 2030. 

As metas de igualdade entre as pessoas, a proteção do planeta e a orientação para a prosperidade propõem um novo contrato social global.  Os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), além de identificarem o que precisamos alcançar até 2030 para criar o mundo sustentável que buscamos, oferecem uma oportunidade única para todos os setores de se mobilizarem em busca de uma meta global comum de erradicar a pobreza, proteger o planeta e garantir que todas as pessoas usufruam de uma prosperidade compartilhada e sustentável.

Entretanto, as metas de conservação e uso sustentável da natureza não podem ser alcançadas pelas trajetórias atuais e seus objetivos para 2030 só podem ser atingidos por meio de expressivas mudanças em fatores econômicos, sociais, políticos e tecnológicos, conforme apontam  importantes e recentes relatórios como o da Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES)  e o último Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês). Exceto em cenários que incluem modificações expressivas, as tendências negativas devem continuar até 2050 e além, devido aos impactos projetados no uso da terra e do mar, exploração de organismos e mudanças climáticas.

De acordo com o último IPCC, há pouquíssima chance de evitar que o mundo aqueça mais de 1,5 °C. O planeta já aqueceu 1,1°C, e agora os especialistas dizem que é provável que ultrapasse 1,5 °C ainda na década de 2030, apesar de todos os discursos políticos. O relatório do IPCC adverte que, com o aquecimento sustentado entre 2 e 3 °C, as camadas de gelo da Groenlândia e da Antártica Ocidental serão perdidas “quase completa e irreversivelmente” ao longo de vários milênios. Muitos outros limiares serão ultrapassados mesmo diante de baixos níveis de aquecimento, o que ainda impactaria as geleiras do mundo. Para interromper o aquecimento, os governos precisam aumentar os compromissos ambientais antes de 2030. Agir imediata e simultaneamente nos múltiplos fatores diretos e indiretos poderia retardar, interromper e até mesmo reverter alguns aspectos da biodiversidade e da perda de ecossistemas.

Por sua própria natureza, a mudança transformadora pode esperar oposição daqueles com interesses investidos no status quo, mas essa oposição pode ser superada pelo bem público. Objetivos sociais, incluindo aqueles relacionados a alimentos, água, energia, saúde e a conquista do bem-estar humano para todos, mitigação e adaptação às mudanças climáticas e conservação e uso sustentável da natureza, podem ser alcançados em caminhos sustentáveis ​​por meio da implantação rápida e aprimorada de instrumentos de política existentes e de novas iniciativas que alinhem de forma mais eficaz a ação individual e coletiva para a mudança transformadora.

Isto é o que indica o relatório da Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES), um dos maiores estudos ecossistêmicos já realizados. Este importante estudo da ONU, lançado em junho de 2021 destaca que a natureza pode ser conservada, restaurada e usada de forma sustentável, enquanto os objetivos sociais globais são alcançados por meio de esforços urgentes e conjuntos que promovam mudanças transformadoras.  O relatório indica que a implementação de respostas políticas e ações para conservar a natureza e gerenciá-la de forma mais sustentável progrediu, produzindo resultados positivos em relação a cenários sem intervenção, mas o progresso não é suficiente para conter os fatores diretos e indiretos da deterioração da natureza. 

Considerando que os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável são integrados, indivisíveis e implementados nacionalmente, as atuais tendências negativas na biodiversidade e nos ecossistemas devem prejudicar o progresso em direção a 80 por cento (35 de 44) das metas avaliadas dos Objetivos relacionados à pobreza, fome, saúde, água, cidades, clima, oceanos e terra (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 1, 2, 3, 6, 11, 13, 14 e 15).

Prevê-se, igualmente, que a mudança climática se torne cada vez mais importante como um motor direto de mudanças na natureza e suas contribuições para as pessoas nas próximas décadas. Os impactos futuros das mudanças climáticas se tornarão mais pronunciados nas próximas décadas, com efeitos relativos variáveis ​​dependendo do cenário e da região geográfica. De acordo com o Relatório IPBES, os cenários projetam principalmente efeitos adversos das mudanças climáticas na biodiversidade e no funcionamento dos ecossistemas, que pioram, em alguns casos exponencialmente, com o aumento do aquecimento global. 

Desde a era pré-industrial até hoje, a humanidade já emitiu 2,4 trilhões de toneladas de CO2. Desse total, 58% foram emitidos entre 1850 e 1989, e 42% entre 1990 e 2019. Dezessete por cento de todo o carbono emitido foi lançado no ar apenas na última década.

Muitos dos impactos do aquecimento global são agora simplesmente “irreversíveis”, segundo o último estudo do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC)  o relatório da ONU sobre o clima. Trata-se de um resumo importante a respeito de cinco informações-chave obtidas em pesquisas concluídas nos últimos cinco anos. O documento integra seis relatórios divulgados desde 2015: três Relatórios Especiais e três contribuições do Grupo de Trabalho do IPCC para o 6º Relatório de Avaliação.

O IPCC destaca que tanto os seres humanos como a natureza estão sendo pressionados além de sua capacidade de adaptação. Destaca os impactos crescentes que são aguardados enquanto o aumento das temperaturas ao redor do globo, atualmente em 1,1 grau Celsius sobre o período pré-industrial, segue na direção de 1,5 grau.

O continuado e acelerado aumento do nível do mar atingirá cada vez mais comunidades costeiras, empurrando-as para “submersão e perdas”. Sob todos os cenários de emissões de gases do efeito estufa, o IPCC espera que na próxima década mais de 1 bilhão de pessoas ficarão sob risco de efeitos negativos do clima sobre áreas costeiras. Segundo o estudo, mais de 40% da população mundial é “altamente vulnerável” ao estado do clima.

Se as temperaturas subirem entre 1,7 grau C e 1,8 grau C sobre o nível de 1850 (considerada a época anterior ao grande efeito da industrialização sobre o clima), metade da população humana poderia ficar exposta a períodos de condições climáticas que oferecem risco à vida, a partir do aumento do calor e da umidade.

O IPCC diz que cerca de metade dos organismos vivos avaliados em seu estudo já estão em movimento, viajando para pontos geográficos de mais altitude ou na direção dos pólos terrestres. Enquanto até 14% das espécies avaliadas vão provavelmente enfrentar um alto risco de extinção se o mundo chegar a um aumento de temperatura de 1,5 grau, numa realidade de 3 graus de elevação essa parcela aumentaria para 29% das espécies.

Para animais vivendo em áreas que são classificadas como centros de biodiversidade vulneráveis, espera-se que seu risco de extinção, que já é alto, dobre caso a temperatura global atinja 2 graus acima dos níveis pré-industriais – e aumente dez vezes se ela subir 3 graus.

Existe, no entanto, esperança de que, se o aumento das temperaturas for mantido abaixo de 1,5 grau Celsius acima dos níveis da era pré-industrial, as perdas projetadas atualmente possam ser reduzidas.

O relatório mostra que eventos climáticos extremos e ligados às mudanças climáticas, como enchentes e ondas de calor, estão atingindo seres humanos e outras espécies de forma muito mais dura do que avaliações anteriores indicavam. 

Entre 2010 e 2020, o número de mortos em enchentes, secas e tempestades em regiões vulneráveis, incluindo partes da África, sul da Ásia e Américas do Sul e Central, foi 15 vezes maior que o total em outras partes do mundo.

Alguns pesquisadores já especularam que atingir um aumento de 1,5 grau por um curto período seria aceitável se as temperaturas voltarem para abaixo desse nível pouco depois. O relatório do IPCC, porém, diz que essa abordagem é perigosa.
Também desdenha de artifícios tecnológicos como tentar desviar os raios do Sol ou remover dióxido de carbono da atmosfera, dizendo que essas medidas poderiam piorar as coisas.

É importante ressaltar que os países mais pobres do mundo, as principais vítimas dos impactos climáticos, contribuíram juntos com menos de 4% das emissões do mundo em 2019.

O 1% mais rico da população do planeta está a caminho de emitir 70 toneladas de gás carbônico per capita por ano. Enquanto isso, os 50% mais pobres emitirão em média apenas 1 tonelada per capita, segundo o estudo produzido pela ONG Oxfam, apresentado na COP 26. 

Projeções da Organização Mundial da Saúde, entre 2030 e 2050 o aquecimento global poderá causar cerca de 250 mil mortes adicionais ao ano, por desnutrição, malária e estresse provocado pelo calor excessivo. O impacto de todos esses processos apenas no que se refere aos custos de danos à saúde é estimado entre 2 a 4 bilhões de dólares por ano até 2030. 

Saiba Mais sobre a Crise climática

Desde 1958 são feitas medições diárias de CO2 pelo Observatório de Mauna Loa, mantido pela National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) no alto do vulcão homônimo no Havaí. Foi ali que o americano Charles David Keeling fez as primeiras medições sistemáticas de CO2 na atmosfera, dando origem à famosa curva que leva seu nome e que mostra o crescimento irrefreável das concentrações de CO2 no ar.

Ao cruzar esses dados com os de temperatura média global, divulgados no site dos National Centers for Environmental Information, também vinculado à NOAA, o resultado não deixa margem para dúvidas. O gráfico, que mostra os valores de concentração de CO₂, em partes por milhão, no eixo à esquerda, e a anomalia de temperatura, em °C, no eixo à direita, mostra que as duas variáveis andam juntas. Em 60 anos, a média anual da concentração de CO₂ foi de 316,0 ppm (partes por milhão) para 411,4 ppm (lembrando que a concentração pré-industrial era inferior a 280 ppm). Nesse mesmo período, a temperatura subiu 0,87°C.

Sumário

CONHEÇA OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

ODS 1

Erradicar a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares

ODS 2

Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável

ODS 3

Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todas as pessoas, em todas as idades

ODS 4

Assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas as pessoas

ODS 5

Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas

ODS 6

Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas as pessoas

ODS 7

Assegurar acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todas as pessoas

ODS 8

Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalhodecente para todas as pessoas

ODS 9

Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação

ODS 10

Reduzir as desigualdades dentro dos países e entre eles

ODS 11

Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis

ODS 12

Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis

ODS 13

Tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e seus impactos

ODS 14

Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável

ODS 15

Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as
florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade

ODS 16

Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todas as pessoas e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis

ODS 17

Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável

Explore aqui o Mapa do Ecossistema de Impacto e encontre os negócios que trabalham nos desafios da Agenda 2030 no Brasil.

Implementação dos OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL no Brasil

No Brasil, o cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável está muito aquém das metas estabelecidas, segundo aponta o Relatório Luz, único documento que acompanha o status de cumprimento dos ODS no país e que apresenta um panorama das políticas sociais, ambientais e econômicas em nível nacional, a partir de dados oficiais. O relatório é produzido pelo Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a Agenda 2030, que reúne 51 organizações da sociedade civil.

Os dados do último documento publicado indicam um país cada vez mais longe do desenvolvimento sustentável e um desmonte de políticas, programas e orçamentos. Em 2022, 65,47% das metas de Desenvolvimento Sustentável estavam em retrocesso. Apenas uma (0,59%) das 168 metas analisadas teve progresso satisfatório; onze (6,54%) metas permaneceram ou entraram em estagnação, 14 (8,33%) estão ameaçadas, 24 (14,28%) tiveram progresso insuficiente e 110 (65,47%) estão em retrocesso. Além disso, também há uma ausência de informações relativas a oito metas (4,76%). Em 2021, o desempenho do país foi ainda pior: nenhuma das 169 metas teve avanço satisfatório: 92 estavam em retrocesso, 27 estagnadas, 21 ameaçadas e 13 mostraram progresso insuficiente. As outras não foram elencadas por falta de dados.

O Relatório aponta a necessidade de revitalizar o cumprimento dos ODS no Brasil a partir de políticas públicas de grande alcance, com participação da iniciativa privada e da sociedade como um todo. Esses desafios exigem liderança, ação e recursos que sejam suficientes para sustentar a mudança.

Em 5 anos de atuação, o BrazillLAB já acelerou cerca de 110 Startups e conectou diversas soluções com uma ampla rede de municípios e gestores públicos. O programa conta com mentoria especializada, acesso a networking e a líderes públicos, conhecimento sobre os desafios municipais e apoio na otimização de um modelo de negócio para trabalhar com o setor público.

A 6a edição do Relatório Luz, lançado em julho de 2022 dá seguimento a uma série histórica que começou em 2017 e revela um cenário alarmante: o país não avançou na maioria das 169 metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e não apresenta dados relativos a mais de 5% delas.

Governo quer investir R$ 180 bilhões no ecossistema de impacto do Brasil em 10 anos

Meta do plano de trabalho da Estratégia Nacional de Economia de Impacto (Enimpacto) inclui alcançar

COMPARTILHE:

Coalizão Pelo Impacto dedica R$ 34 milhões para o fortalecimento de organizações sociais em todo território nacional

Iniciativa tem como objetivo expandir o fomento a negócios de impacto para além do eixo

COMPARTILHE:

Evento com foco na criação de projetos de impacto positivo oferece prêmios de até R$ 15 mil

O CriaBrasil 2023 é um evento com diversas atrações e ações interativas que unem cultura,

COMPARTILHE:

plugins premium WordPress