|

A revolução do impacto

COMPARTILHE:

HOME / AGENDA 2030 / IMPACTO DOS NI

AGENDA 2030

a revolução do impacto

Reproduzir vídeo

CONHEÇA A AGENDA 2030 


Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável

FERRAMENTAS DE MEDIÇÃO Do IMPACTO

Alcançar os ODS criará um mundo mais sustentável, equitativo e próspero. Para chegar lá, os investidores devem adaptar suas estratégias para entregar não apenas resultados financeiros, mas também resultados sociais e ambientais positivos. 
Neste contexto, o capital financeiro desempenha um papel absolutamente fundamental e é reconhecido como uma fonte relevante de recursos para complementar os esforços públicos para resolver os desafios globais.

Raramente, o que não é medido pode ser gerenciado, portanto, para melhorar resultados e impactar positivamente as pessoas e o planeta devemos medir o impacto. Para isso é fundamental definir objetivos, definir indicadores específicos, mensuráveis, atingíveis, relevantes e baseado no tempo.  Investimentos de impacto são investimentos feitos com a intenção de gerar impacto social e ambiental positivo e mensurável, juntamente com o retorno financeiro:

1. Geram impacto social e/ou ambiental.
2. Geram retorno financeiro.
3. Tem a intenção de gerar impacto positivo.
4. São mensuráveis. Até que ponto os resultados esperados são obtidos ou não? 
 
Existem atualmente múltiplas experiências de avaliação de impacto, sendo as ferramentas de avaliação de impacto com certificação privada as mais difundidas. No nível público, embora não tenham sido aplicados processos de certificação de impacto, vários sistemas de avaliação de processos e resultados foram gerados. 
O Sistema B, com suas múltiplas ferramentas de medição como SDG Action Manager e BIA (B Impact Assessment), possui ferramentas focadas nas empresas. Ferramentas de avaliação como IRIS, GRI do GIIN, entre outras, têm sido aplicadas em diferentes setores econômicos.

Áreas do mundo projetadas para experimentar efeitos negativos significativos de mudanças globais no clima, biodiversidade, funções do ecossistema e contribuições da natureza para as pessoas também abrigam grandes concentrações de povos indígenas e muitas das comunidades mais pobres do mundo. Devido à sua forte dependência da natureza e suas contribuições para a subsistência, meios de subsistência e saúde, essas comunidades serão desproporcionalmente atingidas por essas mudanças negativas. Esses efeitos negativos também influenciam a capacidade dos povos indígenas e comunidades locais de gerenciar e conservar a biodiversidade selvagem e domesticada e as contribuições da natureza para as pessoas. Povos indígenas e comunidades locais têm enfrentado esses desafios de forma proativa em parceria entre si e com uma série de outras partes interessadas, por meio de sistemas de cogestão e redes de monitoramento local e regional, revitalizando e adaptando sistemas de gestão locais. 

A perda de diversidade, como a diversidade filogenética e funcional, pode reduzir permanentemente as opções futuras, como espécies silvestres que podem ser domesticadas como novas culturas e usadas para melhoramento genético. As pessoas criaram substitutos para algumas outras contribuições da natureza, mas muitos deles são imperfeitos ou financeiramente proibitivos 

Conheça algumas das ferramentas de medição de  impacto.

SDG Action Manager

Desenvolvido pelo B Lab em conjunto com o Pacto Global das Nações Unidas, o SDG Action Manager é uma solução de gestão do impacto que se propõe a ajudar as empresas a tomarem medidas concretas para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável até 2030. O SDG Action Manager combina a Avaliação de Impacto B com os Dez Princípios do Pacto Global da ONU, assim como sua experiência conjunta em relação ao conteúdo, para ajudar as empresas a canalizarem suas ações para gerar impacto positivo por meio da autoavaliação dinâmica, da comparação com padrões e do estabelecimento de metas para aprimoramento. 

Ele foi criado a partir de iniciativas empresariais dedicadas aos ODS e do trabalho e do feedback de várias partes interessadas, incluindo especialistas em sustentabilidade corporativa, a sociedade civil, a ONU e a comunidade acadêmica, tendo sido idealizado pela comunidade de Empresas B Certificadas e por empresas participantes do Pacto Global da ONU.

Saiba mais sobre o SDG Action Manager

SDG IMPACT

Os Padrões de Impacto ODS foram concebidos como uma estrutura abrangente de tomada de decisão que ajuda empresas e investidores a gerenciar seus impactos positivos e negativos nas pessoas e no planeta, cuidando dos resultados financeiros. Fornecem etapas práticas e acionáveis ​​para traduzir boas intenções em ação.  Quatro conjuntos de Padrões de Impacto SDG foram desenvolvidos para alcançar a amplitude do sistema econômico: empresa, capital privado, emissores de títulos e um para DFIs que o PNUD Impacto SDG co-criou com a OCDE. 

Saiba mais sobre os Padrões de Impacto ODS e recursos de apoio para você começar sua própria jornada para a sustentabilidade.

Impact Frontiers

De 2016 a 2018, o Impact Management Project (IMP) reuniu uma comunidade de mais de 3.000 empresas e investidores para construir um consenso global sobre como medimos, melhoramos e divulgamos nossos impactos positivos e negativos (também conhecido como “gestão de impacto”). O consenso resultante (ou “normas”) fornece uma lógica comum para ajudar empresas e investidores a entender seus impactos nas pessoas e no planeta, para que possam reduzir o negativo e aumentar o positivo. Esses recursos migraram para o Impact Frontiers após a conclusão do IMP em 2021.

Saiba mais sobre o Impact Management Project (IMP)

Saiba mais sobre o Impact Frontiers

Rede Global de Investimentos de Impacto (IRIS+)

O IRIS+ é o sistema gerenciado pela Global Impact Investing Network (GIIN). utilizado por investidores de impacto como ferramenta de avaliação.


Dados de impacto confiáveis ​​e comparáveis ​​são necessários para informar as decisões de investimento e gerar resultados de maior impacto. O IRIS+ propõe-se a  aumentar a clareza e a comparabilidade dos dados. O recurso é gratuito e disponível online.

Saiba mais sobre o Impact Investing

Saiba mais sobre o IRIS+

Global Steering Group for Impact Investment (GSG)

O Global Steering Group for Impact Investment (GSG) é uma organização independente que catalisa investimentos de impacto e empreendedorismo para beneficiar as pessoas e o planeta. O GSG foi criado em agosto de 2015 ao incorporar o trabalho da Força-Tarefa de Investimento de Impacto Social estabelecida durante a presidência do Reino Unido do G8, em 2013.
Presidido por Ronald Cohen, o GSG reúne líderes de finanças, negócios e filantropia para resolver alguns dos desafios sociais e ambientais mais prementes do mundo.

Reproduzir vídeo

Saiba mais sobre o Global Steering Group for Impact Investment (GSG)

Bridges Impact Foundation

A Bridges Impact Foundation fornece suporte catalisador para  soluções que apoiem a transição para uma economia mais inclusiva e sustentável. É uma investidora especializada em mercados privados, lançada em 2007.

A Fundação é financiada principalmente pela equipe da Bridges, que doa 10% de todos os seus lucros dos fundos de investimento da empresa.

Saiba mais sobre o Bridges Impact Foundation

GRI/Global Reporting Initiative

A Global Reporting Initiative é uma organização internacional que ajuda empresas, governos e outras instituições a compreender e comunicar o impacto dos negócios em questões críticas de sustentabilidade. Mudanças climáticas, direitos humanos e problemas de corrupção são algumas dessas questões.

As diretrizes da GRI – chamadas G4 – na elaboração dos relatórios ajudam a identificar os impactos das operações da organização sobre o meio ambiente, economia e sociedade civil. O objetivo é apontar informações confiáveis, relevantes e padronizadas para que sua empresa avalie oportunidades e riscos a partir desses impactos e tome decisões mais embasadas sobre o assunto.

As diretrizes que compõem o G4 são universalmente aplicáveis a empresas de todos os tamanhos, tipos e setores do mercado, e foram reestruturadas em um conjunto de padrões no final de 2016.

Essa remodelagem originou os Padrões GRI de Relatório de Sustentabilidade. Foram os primeiros padrões globais para criação de relatórios de sustentabilidade. Os indicadores são dispostos em módulos inter-relacionados e representam as melhores práticas de relato dos impactos econômicos, ambientais e sociais dos negócios.

Os Padrões GRI serão válidos apenas a partir de 1º de julho de 2018. Até lá continuam válidas as diretrizes G4.
Como aplicar os Padrões GRI

As empresas podem utilizar os Padrões GRI para desenvolver seus relatórios de sustentabilidade. Não é preciso utilizar todos os padrões. É possível utilizar partes específicas do documento para relatar apenas as informações que forem válidas para sua empresa.

Contudo é preciso atenção: cada forma de utilização dos Padrões requer uma declaração de uso correspondente, a qual as empresas devem incluir em quaisquer relatórios com divulgação baseada nos moldes previstos pelo documento.
Os Padrões GRI são um sistema modular de padrões interconectados. Eles permitem organizações para relatar publicamente os impactos de suas atividades de forma estruturada maneira transparente para as partes interessadas.

Saiba mais sobre o GRI/Global Reporting Initiative

NOVAS ABORDAGENS

Contabilidade por Impacto. Impact-Weighted Accounts Project

A Abordagem de Ponderação de Impacto (Impact-Weighted Accounts – IWA) procura mensurar de modo comparável – assim como é feito na contabilidade tradicional para indicadores financeiros –  as consequências sociais e ambientais da atuação de uma empresa.. Essa abordagem surgiu da necessidade de incorporar aos demonstrativos contábeis, para além do desempenho econômico, os efeitos das empresas sobre os demais stakeholders. Sendo o efeito total de um produto ou de uma organização fragmentado em uma série de dimensões, observada e calculada de forma individual e, posteriormente, incluída em um balanço patrimonial que considere esses resultados adicionais já monetizados. Entretanto, esse método ainda está em fase de desenvolvimento e aspira tornar-se um padrão para a gestão de investimentos ESG (buscando objetivos ambientais, sociais e de governança).
 
As contas  ponderadas por impacto são itens de linha em uma demonstração financeira, como uma demonstração de resultados ou um balanço patrimonial, que são adicionados para complementar a demonstração de saúde e desempenho financeiro, refletindo os impactos positivos e negativos de uma empresa sobre funcionários, clientes, meio ambiente e a sociedade mais ampla.

 A aspiração é uma visão integrada do desempenho que permite aos investidores e gestores tomar decisões informadas com base não apenas em ganhos ou perdas privadas monetizadas, mas também no impacto mais amplo que uma empresa tem na sociedade e no meio ambiente.

A introdução de contas ponderadas por impacto é impulsionada por uma rede global de inovadores, empresas, investidores, ONGs e outras partes interessadas. Esses atores se uniram por meio do GSG (Global Steering Group for Impact Investment) e do IMP (Impact Management Project), iniciando o IWAI com a Harvard Business School. 

Saiba mais sobre a Contabilidade por Impacto (Impact-Weighted Accounts Project)

Estudo/Harvard School Impacto Ambiental Corporativo: Medição, dados e informações

Por David Freiberg, Jorge Serafeim e T. Robert Zochowski

Como o impacto ambiental de uma organização se tornou uma consideração social central, afetando assim a indústria e a competitividade organizacional, o interesse em medir e analisar o impacto ambiental aumentou. Desenvolvemos uma metodologia para derivar estimativas de impacto ambiental monetizadas comparáveis ​​e escaláveis, aplicando caminhos de caracterização e fatores de monetização para resultados ambientais em nível de organização, incluindo emissões de carbono, uso de água e outros tipos de emissão. O impacto ambiental médio como uma porcentagem das vendas de uma organização (receita operacional), referido como intensidade ambiental, é de 2% (22%), sugerindo um nível significativo de “responsabilidades ocultas” e potencial de erosão de valor se os impactos ambientais forem precificados. Cerca de 60% da variação na intensidade ambiental é impulsionada pela associação da indústria, enquanto o restante pode ser atribuído a fatores específicos da empresa ou a classificações de países e indústrias mais granulares. A intensidade ambiental exibe correlação moderada com várias classificações ambientais em empresas e setores e nenhuma correlação entre empresas dentro de setores. As empresas com maior intensidade ambiental exibem uma avaliação de mercado corporativa mais baixa, consistente com os investidores que veem os impactos ambientais como financeiramente materiais e os precificam em alguns, mas não em todos os setores. Documentamos a materialidade dinâmica da intensidade ambiental, onde a relação entre intensidade ambiental e valoração corporativa tem se fortalecido nos últimos anos

Saiba mais sobre o Estudo/Harvard School Impacto Ambiental Corporativo: Medição, dados e informações

“Até o momento, a ausência de medição de impacto efetiva obscureceu a responsabilidade das empresas pelos danos que causam. Reescrever as regras contábeis para incluir o impacto alterará a avaliação dos investidores sobre o desempenho corporativo, afastando-os de empresas de impacto negativo para empresas de impacto positivo e catalisando uma mudança no comportamento corporativo. (…) A transparência do impacto vai remodelar o capitalismo. Ao mudar a busca pelo lucro da criação negligente de problemas para a criação proposital de soluções valiosas para o mundo, ela redefinirá o sucesso, de modo que sua medida não seja apenas dinheiro, mas o impacto positivo que causamos durante nossas vidas”.

Ronald Cohen Presidente da Impact-Weighted Accounts Initiative (IWAI) e do Global Steering Group for Impact Investment GSG, cofundador da Apax Partners e autor de “IMPACT: Reshaping Capitalism to Drive Real Change”.

Sumário

Governo quer investir R$ 180 bilhões no ecossistema de impacto do Brasil em 10 anos

Meta do plano de trabalho da Estratégia Nacional de Economia de Impacto (Enimpacto) inclui alcançar

COMPARTILHE:

Coalizão Pelo Impacto dedica R$ 34 milhões para o fortalecimento de organizações sociais em todo território nacional

Iniciativa tem como objetivo expandir o fomento a negócios de impacto para além do eixo

COMPARTILHE:

Evento com foco na criação de projetos de impacto positivo oferece prêmios de até R$ 15 mil

O CriaBrasil 2023 é um evento com diversas atrações e ações interativas que unem cultura,

COMPARTILHE:

plugins premium WordPress